O meu outro Blog - de Culinária
"A Cozinha da Grilinha"


05
Dez 06

Poema dedicado a um amigo que hoje sofre com a partida de um ente querido muito especial.


Não me consola saber que a vida é infinita
que nada morre, que tudo é eterno.
Na partida definitiva, não há como fugir
da maior dor pelo ser humano sentida.
Separam-se os corpos, ah saudade doída!
Saudade que ofusca a vida
e que só o tempo ameniza a dor.

Laços que se desfazem
numa partida sempre inesperada
que bom seria se esta despedida
pudesse ser eternamente adiada

As lembranças que ficam, de imediato, atormentam
Onde buscar as cores, gestos e olhares,
Como dialogar com o silêncio?
Como tocar o nada? Como trazer tudo de volta?
Impossível! Ah dor infinita!

Resta apenas esperar e pedir para o tempo voar,
para a dor amenizar e ficar com a esperança
de que um dia, em algum lugar, com outros rostos,
possamos a história das nossas almas continuar.
É só o que resta para consolar!

(autor: Tahyane Rangel)

* * Grilinha * * às 00:39
estou: sem palavras


Fernanda Grilo
(Grilinha)
16/12/1957
Lisboa-Portugal
Dezembro 2006
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
12

17
18
19
21
23

25
27
28

31


comentários recentes
Olá! Vamos ter cuidado! Santo António não apareceu...
Boa tarde amigo, então ainda tem o sofá ou não, an...
Vim aqui parar ao seu blog por puro acaso. Será? N...
9 3sp8r8t9. e etern9 e o tempo infinito e a alma i...
É tão bom comemorar o aniversario, ainda mais ao l...
Tomei esse comprimidinho tramadol depois de uma ci...
Boa tarde! Posso solicitar o contacto este médico?...
Pois, teve sorte, eu perdi meio dia de trabalho e ...
tenho contacto varias associações e nem sequer dão...
Posts mais comentados
180 comentários
116 comentários
91 comentários
84 comentários
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

pesquisar
 
subscrever feeds