O meu outro Blog - de Culinária
"A Cozinha da Grilinha"


29
Nov 05
Depois de ter colocado esta inscrição no muro em frente á minha casa decidi ausentar-me durante uma semana e o resultado foi este:




DIÁRIO DO MANEL ARMADO EM DONO DE CASA

Porque se queixarão as mulheres das lides domésticas se basta um pouco de organização?

Segunda-feira
Sózinho em casa. A minha mulher foi passar a semana fora. Ora aí está uma excelente mudança. Vou passar uma semana inesquecível, só eu.

Delineei um programa e organizei o meu horário. Sei exactamente a que horas me levantar, quanto tempo demoro na casa de banho e a preparar o pequeno-almoço.

Acrescentei o número de horas de que preciso para lavar a loiça, fazer limpezas, ir às compras e cozinhar. Fiquei agradavelmente surpreendido com o muito tempo livre que ainda terei.
Não percebo porque é que as mulheres se queixam da lida da casa se tudo isso exige tão pouco tempo. O segredo está numa boa organização.

Comi um bife ao jantar. Vesti-me a rigor, acendi uma vela e pus rosas numa jarra para criar uma atmosfera aprazível. Bebi vinho e fumei um charuto.

Há muito que não me sentia tão bem.

Terça-feira
Tenho de dar uma olhadela ao meu horário. Uns pequenos acertos.

Ao pequeno-almoço, verifiquei que o sumo de laranja natural tem um inconveniente. É preciso lavar sempre o espremedor.
Alteração possível: - fazer sumo para dias. Assim só tenho metade do trabalho.

Descoberta: posso aquecer salsichas dentro da sopa. Menos uma panela para lavar.

É claro que não pretendo aspirar todos os dia, como a minha mulher queria.
De dois em dois dias é mais que suficiente. O segredo está em andar de chinelos e limpar os pés no tapete da entrada. Quanto ao resto sinto-me optimamente.

Quarta-feira
Tenho a impressão de que afinal a lida doméstica leva mais tempo do que pensava. Preciso de repensar a minha estratégia.

Primeiro passo: comprei um saco de comida rápida. Não tenho de perder mais tempo com cozinhados. É um disparate perder mais tempo com a comida do que comê-la

A cama é outro problema. Primeiro é preciso sair de dentro do edredão, a seguir arejá-lo e por fim fazer a cama. Que complicação! Acho que não vale a pena fazê-la todos os dias, sobretudo porque nessa mesma noite voltarei a deitar-me. Parece-me inútil.

Deixei de fazer refeições complicadas. Comprei algumas pré-cozinhadas.

Quinta-feira
Acabou-se o sumo de laranja! Como é que um fruto aparentemente tão inocente causa tamanha confusão? É inacreditável! Vou passar a comprar sumo engarrafado pronto a beber.

Descoberta: consegui sair da cama quase sem a desfazer. Basta-me depois alisar ligeiramente a roupa. Claro que é preciso uma certa prática, e não me posso mexer muito durante o sono. Doem-me um bocado as costas, mas nada que um bom duche quente não possa resolver.

Deixei de fazer a barba todos os dias. É uma perda de tempo. Assim, também, ganho uns minutos preciosos que a minha mulher, como não tem de fazer a barba nunca perde.

Descoberta: não vale a pena usar um prato lavado de cada vez que como.
Lavar a loiça tantas vezes começa a dar-me cabo dos nervos.
Nota: cheguei à conclusão de que basta aspirar no máximo uma vez por semana.

Salsichas ao almoço e ao jantar.

Sexta-feira
Adeus sumos de fruta! As laranjas são muito pesadas.

Descobri o seguinte: as salsichas sabem bem de manhã. Ao almoço nem por isso. Ao jantar, nem vê-las. Salsichas mais de dois dias seguidos enjoam.

Descobri que posso comer a sopa directamente da panela.
Sabe ao mesmo.. nem tigela nem concha. Assim já não me sinto tanto como uma máquina de lavar a louça.

Já não lavo o chão da cozinha. Irritava-me tanto como fazer a cama.

Nota: acabaram-se as latas. O abre latas fica todo pegajoso!

Sábado
Que ideia é esta de me despir à noite se tenho de voltar a despir-me de manhã? Aproveito mas é o tempo para ficar mais um bocadinho na cama. E também não preciso de colcha, por isso a cama está sempre feita.

Estou a ficar cansado de ser criado de mim mesmo!
Que estranho. De repente, dei-me conta de que é o que a minha mulher me diz às vezes...

Hoje é dia de fazer a barba, mas não me apetece nada. Tenho os nervos em franja. Ao pequeno almoço, só as coisas que não seja preciso desembrulhar, abrir, cortar polvilhar, cozinhar sem misturar. Tudo coisas que incomodem.

Plano: comer directamente do saco em cima do fogão. Nem pratos, nem talheres nem toalha, nem nenhum disparate desses.

Tenho as gengivas um bocado inflamadas. Deve ser a falta de fruta, que é muito pesada para carregar. - se calhar, estou com princípio de escorbuto.

A minha mulher telefonou à tarde a saber se tinha lavado as janelas e posto a roupa a lavar. Desatei a rir meio histérico. Disse-lhe que não tinha tempo para essas coisas.

Há um problema com a banheira. Está entupida com esparguete. Também não estou para me chatear. Não me incomoda muito porque deixei de tomar duche.

Nota: Como directamente do frigorífico. Tem é de ser depressa. Não convém deixar a porta aberta muito tempo.

Domingo
Estou sentado na cama a ver televisão. Vejo pessoas a comer todo o tipo de iguarias. Salivo. estou fraco e rabugento.

Esta manhã comi do pacote de cereais. Não gostei muito.. Precisava de me lavar, barbear, pentear, fazer comida, limpar a casa ir às compras e uma série de outras coisas, mas não arranjo forças. Sinto que estou a perder o equilíbrio e que a vista me está a faltar.

Num último reflexo de sobrevivência arrastei-me até a um restaurante.
Durante uma hora, comi toda a espécie de pratos óptimos. Em seguida, fui para um hotel. O quarto é limpo, arrumado e confortável. Descobri a solução ideal para o governo da casa.
Não sei se a minha mulher já se terá lembrado disso.

(adaptação do texto "Diário de um dono de casa" - autor desconhecido)
grilinha às 04:53
* * * Grilinha * * * em 30/09/2007 às 17:31
estou:

24
Nov 05
Rosa, a minha menina
de tez salpicada de sardas
creceu da noite para o dia
voou ... ganhou asas

Menina se fez mulher,
percorre caminhos risonhos
em busca de mais aprender
realizando os seus sonhos

Nas asas do vento voou
para terras de sol tropical
de mar salgado o rosto molhou,
disse: - Adeus, até ao Natal.

Grilinha
grilinha às 21:43
* * * Grilinha * * * em 30/09/2007 às 17:30
tags:


Oferta da net_@miga ANIMALEJA

Pois é, estamos de Parabéns! Este blog faz 2 anos e está prestes a atingir as 150.000 visitas.
Ao longo destes 2 anos tenho feito os possiveis por transmitir a minha forma de estar e de pensar contando sempre com a colaboração de todos os que por aqui passam.
Quero deixar aqui o meu agradecimento a todos aqueles que fizeram e continuam a fazer deste espaço a sua passagem diária, silenciosa ou com o seu comentário. Muito obrigada! Grilinha
grilinha às 01:20
* * * Grilinha * * * em 30/09/2007 às 17:29
tags:

21
Nov 05
Os sogros, regra geral recebem bem o genro pois mais complicada é a relacão entre as noras.
Felizmente existem os "sogros perfeitos" onde os meus se encaixam.
São carinhosos, amáveis, prestáveis e sempre me encararam como a mulher que (também) dá amor ao seu filho, que um dia cresceu e saiu de casa.
Um bom relacionamento entre sogros e nora é proveitoso para todos.

Já não tenho pais e agora são os meus sogros que me ajudam a preencher parte dessa falta.
O meu sogro foi o "pai" sempre presente á minha cabeceira durante todos os dias dos meus longos internamentos.

Hoje cabe-me a mim cumprir o papel de "filha/nora" e acompanhá-lo neste dia complicado da sua vida.
Ao meu sogro, desejo que a cirurgia seja breve e a sua recuperação rápida.
Estarei ao seu lado sempre que for preciso.

Um beijinho da nora Fernanda
grilinha às 00:02
* * * Grilinha * * * em 30/09/2007 às 17:28

18
Nov 05
Lúcia nasceu na aldeia e ainda jovem veio para a cidade grande á procura de melhor qualidade de vida.

Moça alta, loira de olhos azuis e pele branca chamava a atenção de quantos por ela passavam na rua.


Arranjou emprego numa casa de Drs e só de lá saiu, no dia do seu casamento.

Lúcia aspirava a ter uma vida melhor e com jeito para o negócio decidiu montar uma "banca de bolos" junto á estação fluvial da Praça do Comércio.


Durante mais de 20 anos por ali passaram milhares e milhares de pessoas entre uma margem e outra do Tejo, que todos os dias a cumprimentavam e lhe compravam um bolo ou umas peças de fruta.


Lúcia trabalhava todo o ano, tirando apenas uns dias de férias em Agosto para acompanhar a família (marido, filha, irmãos, cunhados, sobrinhos) na festa da sua aldeia.

A extinção abrupta daquele local de venda ambulante foi um choque demasiado forte para o "aneurisma" que a acompanhava em silêncio.

Há 11 anos que Lúcia lutava para se manter viva.

Hoje vai a enterrar e com saudades desejo que a minha tia Lúcia descanse em Paz.

grilinha às 10:29


Fernanda Grilo
(Grilinha)
16/12/1957
Lisboa-Portugal
As Visitas
desde Nov/2003

Novembro 2005
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
12

13
14
15
16
19

20
22
23
25
26

27
28
30


comentários recentes
Olá.Quando vi no mail "Grilinha", voltei a sorrir....
Olá Maria AraújoObrigada por te teres lembrado de ...
Boa noite.Há minutos, enquanto jantava, lembrei-me...
Gostei muito de ler a tua opinião! Um beijinho
http://meninadeangola.blogspot.com (http://meninad...
Ah ! Ah ! Ah !Adorei as regras.
Deixo o link para o meu Facebook:https://www.faceb...
Olá AméricoFiquei muito satisfeita de te voltar a ...
Posts mais comentados
180 comentários
116 comentários
91 comentários
84 comentários
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

pesquisar
 
subscrever feeds